Melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

27 de mai de 2010

Os Malditos de Visconti (final)




(...) Vi 30 vezes
Os Deuses
Malditos,
de Visconti”


Rainer Werner
Fassbinder (1)




A Família Monstro e os Podres Poderes


Stefano Roncoroni questionou Visconti quanto à tendência de identificar o nazismo como perversão sexual. Seria tendencioso e simplista, afirmou Roncoroni. Visconti se defendeu dizendo que não era possível abordar todos os lados do nazismo, caso contrário estaria a fazer uma história do Terceiro Reich. Concentrou-se numa família e nela localizou os instintos mais baixos. “Trata-se de um exemplo”, esclareceu Visconti, “não significa que o nazismo esteja todo ali” (2). É assim que Aschenbach e Martin conseguem trazer para o Partido Nazista um Gunther, chocado com o assassinado do pai. No texto do roteiro, a fala de Aschenbach para Gunther é mais direta do que no filme: “Você possui uma coisa extraordinária que é esse ódio novo que traz dentro de si, mas é um luxo que você o utilize apenas para satisfazer uma vingança pessoal. Nós sabemos como industrializá-lo. Venha conosco e você será um de nós, parte de nós, será um nazista” (3). (As três primeiras imagens do artigo são da cena do incesto, entre Martin e Sofia)



A tarefa do nazismo
,
de acordo com Aschenbach: industrializar o ódio






Numa época em que o cinema italiano estava em crise e o cinema alemão era subsidiado pelo governo (mas onde só a pornografia dava lucro nas telas), Visconti entendia a contribuição contida em Os Deuses Malditos como algo que está para além de apenas mais um filme cheio de clichês contra o nazismo. Pier Paolo Pasolini já havia abordado o assunto em Pocilga (Porcile, 1969) e voltaria a ele em Salò, Ou os 120 Dias de Sodoma (Salò o le 120 Giornate di Sodoma, 1975). Visconti definia Os Deuses Malditos como algo mais do que um filme histórico:

“(...) Não se trata de um filme sobre a história do surgimento do nazismo, mas de um filme ambientado naquele momento exatamente para provocar choques (...). Pessoalmente, estou muito satisfeito com o que fiz e creio que o filme pode vir a ter ressonância, dar um grande impulso numa direção ideologicamente engajada, no momento em que o cinema dedica-se a histórias de alcova, a simples histórias de relações sexuais ou até mesmo à pornografia. Acredito que meu filme possa chamar à ordem e dizer: ‘Caros senhores, existem temas sérios que podem ser tratados’. Além disso, acredito que, com exceção de um episódio muito simbólico sobre o nazismo e, ao que parece, sobre as relações entre o homem e o nazismo, que se encontra em Pocilga, de Pasolini, esta é a primeira vez que tal tema vem tratado num filme” (4)

Pasolini, Visconti e os Porcos 

Se    viver     sob    qualquer
dos estilos  de  totalitarismo
fosse comparável
a pocilgas onde se confinam os porcos,
compreenderíamos melhor
o desespero que 
nos  induz 
a   comer   uns   aos   outros


Em Pocilga, Pasolini realmente não apresentaria ninguém fantasiado com o uniforme nazista. Entretanto, a divisão em dois episódios paralelos, sendo um deles explicitamente metafórico (o episódio dos canibais), talvez neutralize a outra estória – para aqueles dentre nós que não conhecem a vida dos porcos. No outro episódio, industriais-ex-nazistas conversam e se deliciam com sua boa vida de ontem e de hoje (Pasolini era obcecado em denunciar o “novo fascismo”). Enquanto isso, o filho de Klotz transava com porcos, até que foi comido por eles – o detalhe que une os dois episódios pode ser o fato de que, em cativeiro, os porcos podem se tornar canibais. Durante a conversa entre os nazistas, em certo momento o industrial Klotz tira melodias de uma arpa. A música que ouvimos durante todo este episódio é uma versão do hino das SA: A Canção de Horst Wessel (Horst Wessel Lied) (5). Wessel foi um comandante das SA numa região de Berlim. A mesma música é cantada pelos SA em Os Deuses Malditos, durante a orgia homossexual, pouco antes de a Gestapo abrir fogo.

Em 1933, Hitler a declarou símbolo nacional. No final de outro filme, O Triunfo da Vontade (1935), dirigido por Leni Riefenstahl, a cineasta preferida de Hitler, oficiais nazistas podem ser vistos cantando a mesma música. O incêndio do Parlamento alemão, supostamente por um comunista, deixa evidente a tendência anticomunista do Partido Nazista. Tendência que Hitler tentou torcer a seu favor no final da guerra, sabendo que a aliança entre os aliados ocidentais e a ex-União soviética era puramente estratégica – apenas para destruir o Reich. Depois da morte de Wessel, teoricamente assassinado por um comunista em 1930, o Ministro da Propaganda, Josef Goebbels, fez dele um mártir - a letra recebeu adendos em sua honra, mas eles nunca seriam incorporados à letra oficial.



Pasolini achou Os Deuses Malditos repleto de clichês
,
até    mesmo   “silenciando”
a criatividade de Visconti





Comentando sobre o filme de Visconti, Pasolini fez referência a certo excesso de clichês na segunda parte – o episódio da Noite das Longas Facas (6). Pasolini chega a dizer que, na cena do massacre, a inspiração de Visconti “silencia”. O massacre, afirmou Pasolini, foi muito “cinematográfico”, “sem mistério”, “com litros de colorante vermelho sobre os corpos dos figurantes”. Aschenbach passa de “personagem crível a um herói de folhetim”. Pasolini refere-se também a uma possível confusão quanto a viver através do filme o que não se pode viver na realidade objetiva porque não estávamos lá – talvez uma referência ao fato de que Visconti disse que esteve na Alemanha durante essa noite fatídica para a SA (7). (imagem acima, à direita, cena do casamento entre Sofia e Frederick; sob o manto da suástica nazista os padres eram induzidos ou obrigados a perguntar se os noivos eram alemães legítimos e se tinham doenças hereditárias. A relação do Partido Nazista com as religiões é um capítulo à parte, do qual pouco se fala)

Com relação ao elemento homossexual presente no filme de Visconti, é Pino Bertelli quem evidencia uma distância em relação a Pasolini. Enquanto parte de um movimento em direção a um cinema que liberte a sexualidade (que Bertelli parece confundir um pouco com “liberação sexual”), Bertelli afirma que enquanto “(...) a idéia da liberação sexual, que em Pasolini (Carmelo Bene ou Rainer W. Fassbinder) agita as boas razões das instituições, em [Franco] Zeffirelli, Visconti ou [Stanley] Kubrick tornam-se transgressões (revestida, ambígua ou finamente tecnológica) boas para o mercado cinematográfico” (8).

Operação Mãos Limpas  




Acabaram-se todas as
ilusões   da   hesitante
República de Weimar






Era opinião de Visconti que Martin e Gunther são o tipo de gente que conduzirá o nazismo ao seu completo desenvolvimento: a guerra, a solução final do “problema dos judeus”, a tomada de Berlim pelos soviéticos, o suicídio de Hitler. Friedrich, Herbert e o velho Joachim, que representam a República de Weimar, serão destruídos. Visconti admitiu que em alguns de seus filmes tudo acontecesse depois da morte de um pai. Em Os Deuses Malditos, o assassinato de Joachim representa o fim dos homens livres da Alemanha. Aschenbach, o fanático nazista, faz um comentário em virtude do incêndio da Chancelaria do Reich, supostamente incendiado por um comunista: “Antes que as chamas do Reichstag estejam extintas, os homens da velha Alemanha estarão, nesta noite, reduzidos a cinzas”. Ou seja, explicou Visconti, todos os liberais, todos os que tinham idéias livres, que ainda estavam ligados à República de Weimar e que não eram nazistas... “É a partir do incêndio do Reichstag que o nazismo começa a colocar sua mão de ferro sobre o país” (9). (imagem acima, à esquerda, Sofia e Frederick, após a cerimônia de casamento foram levados por Martin ao local reservado onde cometeriam suicídio com o veneno fornecido pelo próprio Martin; abaixo, à direita, Martin e Sofia, ela quase não se contém com o filho, mesmo em público; na última imagem do artigo, Martin, já com o uniforme SS, sob o reflexo amarelo sangue das fornalhas da siderúrgica)

Alguém
podia fazer um
filme   para   explicar
quem
vendia o minério
de ferro que a Krupp transformou em
canhões


É curioso como cumplicidades afloram entre os capitalistas quando um regime autoritário qualquer toma o poder. Já sabemos que sem o aço não se podia fazer uma guerra durante o século 20. Curiosa é também a facilidade com que Hitler conseguiu o aço de que precisava – não foi necessário ameaçar fuzilar a família Essenbeck-Krupp para que ela colaborasse. Mas Krupp-Essenbeck não podia fazer aço sem matéria-prima. Portanto, o minério de ferro era ainda mais importante para Hitler do que as siderúrgicas que o transformavam em aço. Onde estava a fonte mais próxima de matéria prima que negociou com Hitler? Na Suécia. Sim, aquele país militarmente neutro que não combateu e não se alinhou, e nem foi ocupado durante a Segunda Guerra Mundial. A Suécia foi responsável por 60% do minério de ferro que entrou na Alemanha de Hitler durante a guerra. Curioso!


Canudos,
no sertão da Bahia
,
foi  destruída  em  1897
pelo exército brasileiro
com   canhões   da
Krupp
(10)




Notas:

Leia também:

As Mulheres de Pier Paolo Pasolini (V)
Bertolucci e a Psicanálise: O Conformista (I), (final)
Yasujiro Ozu e a Dissolução da Família
Fellini: Infantilismo e Fascismo na Sociedade Italiana
O Cinema e o Passado: O Caso do III Reich (I), (II), (final)
O Porteiro da Noite e a Cumplicidade da Vítima
Berlin Alexanderplatz (I), (II), (final)
Sociedade Pedófila
Suicídio é Pecado Mesmo?
As Mulheres de Rainer Werner Fassbinder (VII)

1. TÖTEBERG, Michael (org.). Rainer Werner Fassbinder. A Anarquia da Fantasia. Tradução Sonia Baldessarini e Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988. P. 131.
2. VISCONTI, Luchino. Os Deuses Malditos. Tradução Joel Silveira. Rio de Janeiro: Civilização brasileira S.A., 1970. P. 14.
3. Idem, p. 9.
4. Ibidem p. 12.
5. BERTELLI, Pino. Pier Paolo Pasolini. Il Cinema in Corpo. Atti Impuri di un Eretico. Roma: Edizioni Libreria Croce, 2001. P221.
6. JOUBERT-LAURENCIN, Hervé. Pier Paolo Pasolini. Écrits sur le Cinéma. Petits Dialogues Avec les Films (1957-1974). Paris/Lyon: Cahiers du Cinéma/Presses Univ. de Lyon et Institut Lumière, 2000. Pp. 145-50.
7. VISCONTI, Luchino. Op. Cit., p. 6.
8. BERTELLI, Pino. Op. Cit., p. 253.
9. VISCONTI, Luchino. Op. Cit., p. 11.
10. DAVIS, Mike. Holocaustos Coloniais. Clima, Fome e Imperialismo na Formação do Terceiro Mundo. Tradução Alda Porto. São Paulo/Rio de Janeiro: Editora Record, 2002. P. 203. 


Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), assim como jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1900 8 1/2 A Aventura A Classe Operária Vai ao Paraíso A Doce Vida A Estrada A Maldição do Demônio A Morte A Noite A Ricota A Terra Treme A Tragédia de um Homem Ridículo A Vida é Bela A Voz da Lua Abismo de Um Sonho Accattone Agência Matrimonial Amarcord Amor e Raiva Angelina a Deputada Anno Unno Ano Zero Antes da Revolução Antonin Artaud Antonio Pietrangeli Antonioni Aquele que Sabe Viver Arroz Amargo As Mãos Sobre a Cidade Barbara Steele Barthes Bazin Belíssima Benigni Bertolucci Bicicleta Blow Up Burguesia Cabíria Cadáveres Ilustres Camponeses Cardinale Casanova de Fellini Cavani Censura Cidade das Mulheres Cinecittá Cinecittà Cinema de Poesia Cinema Paradiso Cinema Político close Comédia Italiana Comencini Comunismo Consumo Damiano Damiani De Santis De Seta De Sica Decameron Deuses Malditos Divórcio à Italiana doença de Eros Dois Destinos Dublagem E La Nave Va Édipo Rei Ensaio de Orquestra Entrevista Era Uma Vez na América Era Uma Vez no Oeste Ermanno Olmi espaguete Europa 51 Fascismo Favela Fellini Feminismo Francesco Rosi Freud Gaviões e Passarinhos Gelsomina Gente del Po Gilles Deleuze Ginger e Fred Giulietta Masina Giuseppe Ferrara Glauber Rocha Godard Gramsci Hitler Hollywood Holocausto Homossexualidade Igreja Il Provino Ingrid Bergman Investigação de Um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita Irmãos Taviani Judeu Julieta dos Espíritos Jung Kapò Kieslowski Kurosawa La Luna Lacan Ladrões de Bicicleta Lattuada Leone Lollobrigida Loren Mãe Magnani Malena Mamma Roma Marco Bellocchio Marilyn Monroe Mario Bava Marxismo Mastroianni Medéia Melodrama Milagre Econômico Mito da Caverna Monicelli Morte em Veneza Mulher Mulheres e Luzes Mussolini Nazi-Retrô nazismo Neo-Realismo Noites de Cabíria Nosferatu Nudez no Cinema O Bandido Giuliano O Carteiro e o Poeta O Caso Mattei O Conformista O Deserto Vermelho O Eclipse O Grito O Leopardo O Milagre O Ouro de Roma O Teatro e Seu Duplo O Último Imperador O Último Tango em Paris Obsessão Os Banqueiros de Deus Os Boas Vidas Os Palhaços Os Sonhadores Pai Pai Patrão Paisà Partner Pasolini Pasqualino Peplum Petri Pietro Germi Pocilga Poesia Pontecorvo Por Uns Dólares Pornografia Profissão Repórter Prostituta Psicanálise Quando Explode a Vingança Realismo Poético Francês Religião Risi Rocco e Seus Irmãos Rogopag Roma Cidade Aberta Rossellini Rosto Sade Salò São Mateus Satyricon de Fellini Scola Seduzida e Abandonada Silvana Mangano Stefania Sandrelli Stromboli televisão Teorema Terrorismo Tornatore Três Homens em Conflito Trilogia da Incomunicabilidade Trilogia da Salvação Trilogia da Solidão Trilogia da Vida Trilogia do Caráter Trilogia do Homem sem Nome Trilogia dos Dólares Truffaut Umberto D Verão Violento Viagem à Itália Visconti Vitimas da Tormenta Vitti Wertmüller Zabriskie Point Zavattini Zurlini

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.